quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Falar verdade


Por razões óbvias, quando se discutem questões de carácter, é necessária toda a prudência.

E – para lá de saber se ocorreram ilegalidades no licenciamento do Freeport – é o carácter do primeiro-ministro de Portugal que está em causa.

Eu acredito que José Sócrates não “solicitou, recebeu ou facilitou pagamentos” para licenciar o outlet de Alcochete. Assim como acredito que não usou expedientes ilícitos para concluir a licenciatura e não assinou projectos de arquitectura elaborados por funcionários camarários legalmente impedidos de o fazer.
.
Se o tivesse feito, não teria condições, sequer, para presidir à Junta de Freguesia do Samouco, quanto mais para ser primeiro-ministro de Portugal.
.
Mas a verdade é que, apesar dos rumores, nada de concreto existe que permita pôr em causa o carácter e a honestidade do primeiro-ministro. Pode (e deve) divergir-se politicamente de José Sócrates, mas apenas isso.

Dito isto, é essencial que a justiça siga o seu caminho, com a celeridade e o rigor que se impõe, tendo em conta a sensibilidade do caso.

Já no plano político e passada que está a desorientação inicial, está na hora do primeiro-ministro começar a explicar-se ao país. Para o seu bem e para o bem de todos nós. Sendo esta uma matéria sensível, não pode ser ignorada ou remetida à condição de tabu.

A tese da cabala, em que até aqui o Governo se tem escudado, é manifestamente insustentável, na medida em que as suspeitas partem de uma investigação da polícia inglesa. Alguém acredita que as autoridades policiais britânicas queiram atingir politicamente o primeiro-ministro de Portugal?

Como muito bem escreve Pacheco Pereira na revista Sábado de hoje, as perguntas a que José Sócrates deve responder são simples: “Porquê a pressa a dias de eleições, com estafetas a correr de repartição em repartição, serviço em serviço, a levar papéis para tudo estar assinado a tempo? Porquê tanta urgência e porquê a recusa de nos explicarem quem a decidiu e porquê? Porquê insistir que o decreto que altera a área aprovado no mesmo Conselho de Ministros nada tem a ver com a decisão de licenciar o Freeport, quando toda a gente olha para o mapa e percebe que é a mesma área?".

Acrescenta ainda Pacheco Pereira: “Suspeito imenso de explicações que nos tomam por tolos, em vez de simples e claras explicações. O problema é que pode não haver essas explicações simples”.

Eu acredito que as explicações vão aparecer e, portanto, não comungo da inquietação final de Pacheco Pereira.

E espero que não sejam do calibre do relatório elaborado pela Câmara Municipal da Guarda, acerca dos projectos de arquitectura assinados por José Sócrates, de que ele próprio muito se deve envergonhar. Esta gente tem que perceber, de uma vez por todas, que o importante não é safar a pele do amigo ou do chefe a qualquer preço, porque isso arrasa a qualidade da democracia e destrói a confiança na classe política.

O importante é falar verdade.

João Castanheira

1 comentário:

Toni disse...

Merda para a prudência. Estamos fartos de vigarices.