sábado, 17 de novembro de 2007

Este é para os meus amigos.


Quando eu cheguei aos REM já vocês lá estavam há algum tempo. Cheguei vindo de paragens bem mais inóspitas (musicalmente falando) que vocês recordam e que eu não admito, mas cheguei e quando cheguei mudei. Não sei se foi a força da música ou sua beleza especial, não sei se foram vocês, se foi o tempo em particular, não sei e confesso que nem me interessa particularmente, apenas me apetece recordar aquele tempo em si mesmo. O tempo em que aprendi convosco a gostar de REM e de tantas outras coisas, a memória do que fizemos e do que crescemos, a recordação dos momentos em que primeiramente aprendi que a amizade vale por uma ou várias vidas e que nessa amizade estão todos vós.

E é por isso, e porque a música é intemporal, que vos deixo, nesta curta viagem ao passado, a recordação deste disco e dos tempos que a ele associo.

Ao Paulo, ao João Paulo, ao Luís, ao Chico, ao Miguel e ao Quim. Para tornar a ouvir e sorrir ao futuro!

Luís Manuel Guarita

2 comentários:

JP disse...

teOuvi-os pela primeira vez num final de tarde de 1985. Lembro-me como se fosse hoje. Naquele dia, o resto da música deixou de fazer sentido. Ao longo dos últimos 25 anos, escreveram as mais belas canções do mundo. E porque acompanharam os anos mais luminosos das nossas vidas, aquelas canções estão agora repletas de memórias felizes. A nossa vida anda por ali, à espreita em cada esquina, por trás de cada nota. Perfect Circle.

Baltacha disse...

Benditos gordos e velhos que proporcionaram aos putos conhecer tão gloriosa banda. Que as voltas de bina, passeios pedestres e campanhas eleitorais continuem presentes por muito tempo nas nossas vidas.