quarta-feira, 23 de julho de 2008

Privado, mas pouco...


Há por aí muito quem defenda a privatização da Caixa Geral de Depósitos, com o argumento de que o Estado português deve retirar-se da economia.

Entretanto, soube-se ontem que o Estado angolano é já o maior accionista do principal banco privado português, o Millennium BCP.

Em Portugal, o mercado tem destas coisas...
.
Por isso eu defendo que, excepcionalmente, a Caixa Geral de Depósitos deve manter-se uma instituição pública. É que Estado por Estado, prefiro o português...

João Castanheira
.
Aditamento: será por a CGD dar um lucro anual de 850 milhões de euros que anda tanta gente interessada em privatizá-la? É que não se vê o mesmo entusiasmo privatizador em relação à Refer ou à CP, essas sim, tradicionalmente mal geridas pelo Estado e autênticos survedouros de dinheiros públicos... Aí é que era precisa uma boa gestão privada.

2 comentários:

t_verde disse...

E dpx kem ganha os milhões?

Anónimo disse...

Pois é, em 2007 a CGD apresentou um resultado liquído de 856 milhões de euros, directamente injectados nas contas do Estado. Não sei porquê, mas não vejo a mesma fúria privatizadora em relação, por exemplo, à CP, que perde todos os anos 200 milhões. Essa é que precisa de uma boa gestão privada (sem subsídios), para ver se se endireita.